English English Português Português

Sexualidade e vínculo

Blog Ugo Luna

Sem dúvidas, uma das maiores crises contemporâneas se dá no campo dos relacionamentos amorosos. É uma era marcada pela quebra de paradigmas e modelos pré-estabelecidos de se relacionar, e pela busca individual da própria jornada afetiva e sexual. Porém, ainda permeia a sombra da moral repressora de outrora, às vezes velada, às vezes explícita. Essa contradição constante atravessa os afetos e a forma de viver, ou não viver, a sexualidade nos dias de hoje. ⠀

É uma era complexa: a ausência cada vez maior de modelos, ideais e formas padronizadas de se relacionar tem um efeito ao mesmo tempo libertador e também assustador, pois cada encontro, cada relação requer um novo mapeamento, uma nova construção. E às vezes esse processo da trabalho!⠀

Toda transformação cultural traz tanto ganhos como desafios. Uma nova consciência gera uma reconfiguração de novas formas de ser e de amar que pode abrir portas para uma autenticidade maior nas relações. Porém, há o risco de perder-se em ideias, em racionalizações que podem vir a mascarar conflitos básicos estruturados na personalidade, entre eles o medo da entrega e da intimidade.⠀

O medo da intimidade sempre existiu, se relacionar nunca foi fácil, e ter uma compreensão madura da própria sexualidade sempre será desafiador. Porém, na era da modernidade líquida (gasosa?) vínculo e sexualidade parecem campos que se cancelam mutuamente. Numa era onde o primeiro contato pode ser uma foto intrusiva de uma genitália, onde o invadir grosseiramente e o sumir repentinamente se misturam, que intimidade estamos falando? Muitas vezes, o sexo se torna uma defesa, uma forma de atropelar ou dificultar o processo difícil de abrir-se; uma forma de manter um estado contínuo de desvinculação. E essa desvinculação pode ser uma defesa contra experiências mais profundas, intensas e satisfatórias de entrega e satisfação sexual.⠀

Ainda habitamos uma sociedade imatura sexualmente. Seja por conta da hiperestimulação ou repressão sexual, carregamos marcas de sofrimento no corpo. O encontro com o outro é uma forma de conhecer nossas próprias feridas. ⠀

Quando fugimos de um vínculo, fugimos do outro ou de nós mesmos?

#analisebioenergetica #analisebioenergeticacontemporanea #modernidadeliquida #bauman #sexualidade #psicoterapiacorporal #psicologia #rj

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

Posts Recentes
Categorias